Foto da noticia

História da Teologia

02 de Setembro de 2017
nonato.ferreira@outlook.com.br
Nonato Ferreira


sadoutrina.org - Biblioteca Digital - Trabalhos

No caso da palavra grega logia, seu significado expressa "saber", "ciência". E Théo, significa Deus. Estudando a história de Deus na Bíblia Sagrada.

Chamo a atenção dos leitores para compreendermos um pouco da história dos nossos antepassados. Como eles viveram, quais foram desafios encontrados e como eles os superaram. Porque o autor é das narrativas e da própria história é Deus e, por ser Deus, tem as suas faculdades que se diferem dos humanos, não tendo limitações. O único livro que ao se ler o autor está presente. A Bíblia Sagrada.

Onipresente
Ninguém pode se esconder num lugar onde Eu não possa ver. Então vocês não sabem que estou em toda parte, no céu e na terra?.”(Jeremias 23.24 NTLH).

É Poderoso
Tu és o Deus que operas maravilhas e, entre os povos, tens feito notório o Teu poder” (Salmos 77.14).

Deus é inescrutável
O que significa que Ele é imensurável, inencontrável, impossível de ser inteiramente entendido (Isaías 40,28; Salmos 145,3; Romanos 11,33,34).
“Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!” (Romanos 11,33) - Bíblia Almeida Atualizada

Deus com Presciência  (Conhecimento do futuro, previsão, pressentimento)
"Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo: Graça e paz vos sejam multiplicadas."  (I Pedro 1 : 2)
 
A História da Bíblia Sagrada
Sobre este assunto é um tanto profundo o resumo, uma vez que estamos falando do cânon sagrado ("cânon" significa régua). Foram escritos num período de 16 séculos (1.600 anos). Tiveram cerca de 40 autores. Na maior parte, eles não se conheceram.

Esses escritores pertenciam às mais variadas profissões e atividades. O nível cultural deles era extremamente elevado.
Ex. Moisés (Príncipe e Legislador) – Josué (Comandante) – Davi e Salomão (Reis e Poetas) – Daniel (Ministro de Estado) – Pedro, Tiago e João (Pescadores) – Amós (Homem do campo) – Mateus (Funcionário Público) – Paulo (Teólogo e Erudito) – Lucas (Médico) – e assim por diante.

Viveram e escreveram em países e regiões diferentes (Três continentes Ásia, a África e a Europa.),
Seus costumes e cultura eram muito diferentes.
No Brasil, as culturas e regiões são tão diferentes que às vezes não dá para se entender o que o outro quer dizer.

Melhor resposta:  A palavra Bíblia deriva do grego "biblos", que quer dizer coleção de livros.
São 66 ao todo. Sendo 39 livros no Velho e 27 no Novo Testamento, escritos por 40 autores diferentes que viveram em tempos completamente diferentes.

A Bíblia foi escrita usando três línguas diferentes: hebraico, aramaico e grego.
Material empregado para o trabalho dos escribas:
Cálamo Uma espece de caneta

Cálamo (do grego καλαμος, kálamos: haste, cana, junco) é um instrumento para a escrita, feito de um pedaço de cana ou junco, talhado obliquamente ou afinado na extremidade, utilizado antigamente para escrever em tábuas de argila, papiros e pergaminhos.

A evolução da representação da linguagem por sinais gráficos iniciou-se com inscrições gravadas em plaquetas de barro, na região da Mesopotâmia, por volta de seis mil anos atrás.

O emprego do papiro como suporte para escrever representou um grande avanço, pois o mesmo, por ser leve, fino e mais facilmente manuseável, originou o que hoje conhecemos como “folha”. Os antigos egípcios dominavam a técnica de colar até 20 folhas seguidas, resultando em rolos com até 40 metros de comprimento. Para desenhar os símbolos, os escribas recorriam a uma varinha de caniço de 20 centímetros cuja tinta preta “era composta de uma mistura de pó de fuligem e água, mais um fixador como a goma-arábica”.
               
Originariamente, em aramaico e hebraico, era escrito e lido horizontalmente, da direita para esquerda יה-וה; ou seja, HVHY. Formado por quatro consoantes hebraicas — Yud י Hêi ה Vav ו Hêi ה ou יה-וה, o Tetragrama YHVH tem sido latinizado para JHVH já por muitos séculos.

Evolução
Pergaminho
Com o passar do tempo, verificaram-se os inconvenientes do papiro: além de caro – o Egito antigo, por exemplo, obtinha altos lucros com sua exportação –, ele caracterizava-se pela fragilidade e dificuldade de transporte, obrigando os usuários a recorrerem tão somente a uma de suas faces e, mesmo assim, com extremo cuidado. O pergaminho, a nova base da escrita que emergiria na Ásia Menor, evitou algumas destas desvantagens, uma vez que, por ser feito de couro, aceitava registros nos dois lados.

A escrita sobre o pergaminho, além de abrir espaço para criações artísticas antes impensáveis, sendo a produção de iluminuras (Iluminura é um tipo de pintura decorativa aplicada às letras capitulares dos códices de pergaminho medievais.) uma delas, trouxe duas inovações decisivas: o aproveitamento da pena de ganso, em substituição ao agora defasado pincel de caniço e a disposição desse material no aspecto de folhas, de maneira que fosse possível dobrá-las e costurá-las. Este arranjo forneceria o fulcro dos códe, a estrutura padrão sobre a qual os futuros livros produzidos pela tecnologia impressa se fundamentariam.
  
Um livro nos tempos antigos constava de uma simples tira de papiro ou de pergaminho, que usualmente se conservava enrolado em duas varas - e se desenrolava quando qualquer pessoa desejava lê-lo. Era conhecido como rolo ou pergaminho. Na Bíblia encontramos a palavra rolo em Salmos 40:7; Jeremias 36:2-32; Ezequiel 2:9; Ezequiel 3:1-3; Zacarias 5:1-2; Hebreus 10:7.

O Apóstolo Paulo mostra que além dos pergaminhos tinha outros livros
"Quando vieres, traze a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, e os livros, principalmente os pergaminhos."  (II Timóteo 4 : 13)
 
Papel
O hebraico foi à língua em que foi escrita a maioria do Antigo Testamento. Era a língua falada pelos hebreus e, atualmente, é a língua oficial do estado de Israel. Apenas alguns trechos do Antigo Testamento foram escritos em outra língua, no caso, o aramaico.

O aramaico era um grupo de dialetos muito ligado à língua hebraica. Era falado não só em Israel, mas também em vários outros países da época no mundo bíblico (2 Rs 18. 26). Os trechos bíblicos do Antigo Testamento que foram escritos em aramaico são: Ed 4. 8-6, 18; Ed 7. 12-26; Dn 2. 4-7, 28 e Jr 10. 11). Todo o restante do Velho Testamento foi escrito originalmente em hebraico.

Já no Novo Testamento temos como língua original o grego. Ele não foi escrito no grego clássico, mas em um grego popular que é chamado de grego Koiné.

A primeira tradução da Bíblia foi feita em grego e é dita LXX (Setenta), ou Septuaginta, realizada por 70 anciãos de Jerusalém em Alexandria, no Egito. Trata-se, porém, de uma tradução somente do Antigo Testamento, pois foi feita ainda antes de Cristo: uma tradução do hebraico ao grego. De fato o Antigo Testamento foi escrito em hebraico.

A Bíblia tem sido traduzida em muitos idiomas a partir do hebraico e do grego. A primeira tradução da Bíblia hebraica foi para o grego, a Septuaginta (LXX).

A LXX, no tempo de Cristo, era uma das versões que existia à disposição.
Uma tradução importante foi feita por Jerônimo, no século IV: a Vulgata. É a tradução de toda a Bíblia em latim, feita sob encomenda do Bispo de Roma Damaso I para ser o texto oficial da Igreja.

Em português, a primeira tradução foi feita por João Ferreira de Almeida, em 1753.

A primeira tradução realizada no Brasil foi feita pelo bispo Joaquim. Era um Novo Testamento traduzido a partir da Vulgata. No prefácio, havia acusações contra os protestantes, chamando suas versões da Bíblia de "falsificadas". Foi publicada em São Luís, no Maranhão, em 1847.

O Novo Testamento é composto de 27 livros. Os textos originais foram escritos por seus respectivos autores a partir do ano 42 d.C.[3], em grego koiné.

Nonato Ferreira
Presidente Administrativo SDESD - Ministério do Jardim Florence - Campinas - SP
Nível Médio em Teologia pelo IBICAMP - Instituo Bíblico de Campinas
Graduando em Pastorado pela Faculdade Teológica Nacional

Publicações