Foto da noticia

As Guerras e as Pelejas

02 de Agosto de 2016


Escrito por Natalino de Souza Breves - Juara - MT   
07-Oct-2011
www.sadoutrina.org - Biblioteca Digital - Trabalhos
 - natabreves@hotmail.com

 Este artigo é resultado de um estudo em busca de entender porque existe desentendimento entre as pessoas que muitas vezes resulta em separação de grupos e até abandono do seguimento do caminho do Senhor. Com este texto que é resultado de um trabalho bíblico de grupo, queremos alertar do grande perigo que muitas vezes não é percebido; à guerra que existe entre povo de Deus como resultado da luta da matéria contra o espírito, em que se busca fazer cada um o que é de seu interesse e o resultado é a discórdia, o desentendimento.
Isto que o apostolo Tiago chamou de guerras e pelejas. Enquanto vivemos no mundo temos, de um lado a necessidade de fazer a vontade de Deus para obtermos a salvação para a vida eterna e de outro lado o mundo que oferece tudo o que tem com condição de liberdade de aproveitar o que existe para e satisfazer os prazeres.
Recorrendo aos escritos dos apóstolos, profetas e do Senhor Jesus Cristo, vemos que isso não é viável, que não traz um bom proveito, a salvação almejada por todos. Para a salvação como bem esclarecido, tem que haver renúncias, temos que entrar por uma porta estreita, andar por um caminho apertado, o que significa, um caminho sem muitas liberdades, com proibições, com disciplina e muitas vezes com algumas dificuldades.
Não é um caminho só de gozo, de alegrias, mas muitas vezes de sofrimento, onde até para fazer nossos pedidos a Deus, vamos ver que não é de qualquer maneira, que é necessário alguns cuidados. No decorrer deste texto, com indicações bíblicas estaremos apresentando bem detalhado sobre estes cuidados e a forma que se deve proceder para ser atendido as orações. Como a lei de Deus é amor e amor não faz mal a ninguém, veremos também algumas indicações bíblicas de como proceder em relação aos irmãos. Espero que as indicações bíblicas e esclarecimentos apresentados através deste texto tragam grandes contribuições a muitos que quer ou que já se decidiram em fazer a vontade de Deus, contribuindo para que esse desejo possa se cumprir em muitos. 
 
OS APOSTOSTOLOS APRESENTAM DE ONDE VEM AS GUERRAS E PELEJAS E OS CAMINHOS PARA FUGIR DELAS. BASTA EXAMINARMOS AS ESCRITURAS CUIDADOSAMENTE.
 
Veja o que disse Jesus Cristo no evangelho de João 5. 39 “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam”.
Entre a irmandade existe muito amor, muita consideração e comunicação, como também existe aqui e ali alguns probleminhas que separam rebanhos de ovelhas do Senhor Jesus Cristo, reclamações uns dos outros e até desentendimento entre alguns. É um problema que não poderia existir, mas vamos aqui trabalhar com a realidade e entender porque estas coisas acontece e buscar nas Escrituras Sagradas o entendimento do porque da existências destas coisas entre “o povo de Deus” e de como nos prevenirmos, sermos cuidadosos para não contribuirmos com o que não pode agradar a Deus.
No capitulo 3 versículo 1 de Tiago ele mesmo perguntou: “DE onde vêm as guerras e pelejas entre vós? Para esta pergunta ele mesmo deu a resposta dizendo: “vem dos deleites”.
O que vemos é que cada um procurando no mundo satisfazer e se deliciar com seus prazeres, isto que segundo o apostolo traz discórdias e muitos problemas entre o povo de Deus, como os desentendimentos em que um se opõe o outro porque busca formas de satisfazer os seus desejos com coisas que não são lícitas para quem faz parte da família espiritual. Com isso começam a surgir as guerras de entendimento que resultam em desunião. São as raízes de amargura que brotam e perturbam. Não edifica em nada, somente traz desconforto.
O apostolo Tiago disse no capítulo 3. 13 - 16:Quem dentre vós é sábio e entendido? Mostre pelo seu bom trato as suas obras em mansidão de sabedoria. Mas, se tendes amarga inveja, e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade. Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica. Porque onde há inveja e espírito faccioso aí há perturbação e toda a obra perversa.
Os apostolo foi bem claro em suas palavras, pois a sabedoria verdadeira, ou seja, a sabedoria de Deus se encontra na mansidão, por que esta sabedoria não se trata em ninguém ser superior a ninguém. Na inveja e na rivalidade ele disse que só há perturbação e obras perversas, o que ele chama de animal e diabólica. Quer dizer com isso que é irracional, sem a presença de Deus. Qual o fruto disso no meio da irmandade? São os julgamentos, as separações entre um e outro, começam a falar mal um do outro e há grandes dificuldades até para acontecer as maravilhas esperadas de Deus, tanto de curas quanto de revelações. Isto é por que passa a existir a duvidação, não se confia mais no que o outro faz ou no que recebe de Deus e o fim disso não é nada bom, é a destruição no caminho do Senhor pelo que muitos deixam de seguir a Deus e vão procurar outros caminhos que não são bons ou fica parado, entrando em sofrimento.
Isto é uma reflexão num mundo onde se precisa lutar tanto para tirar muitos dos vícios e de caminhos amargos e às vezes essas lutas estão onde deveria existir somente paz, o que vem contribuir para que muitos se sintam derrotados. É a guerra contra os que fazem a vontade de Deus. Uma alerta é seguir sem parcialidade, pois as coisas de Deus como disse Jesus Mateus 5:37; é Sim, sim; Não, não e o que passa disto ele disse que é de procedência maligna. É impossível que quem ama a Deus se sinta bem vendo que outros abandonaram o caminho da santificação que é por onde chegamos na presença de Deus e se laçam nas trevas com suas contribuições.
Aos que se julgam sábios e buscam a sabedoria em si mesmo, é importante ler o escrito do apostolo Paulo em I Aos Coríntios 8:11 e 12 “ E pela tua ciência perecerá o irmão fraco, pelo qual Cristo morreu. Ora, pecando assim contra os irmãos, e ferindo a sua fraca consciência, pecais contra Cristo. Veja que o apostolo foi claro que é um pecado contra os irmãos e pecado contra Cristo. Vejam outra alertação que tem profecia escrita pelo mesmo apostolo em Romanos 14:15 “Mas, se por causa da comida se contrista teu irmão, já não andas conforme o amor. Não destruas por causa da tua comida aquele por quem Cristo morreu. Outro importante escrito do apostolo fecha este assunto. Aos Filipenses 2:4 e 9: “Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros. De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome;
Então conforme os escritos do apostolo, cada um de nós devemos ser cuidadosos uns para com os outros, evitando tudo que possa entristecer nosso irmão, pois conforme estes escritos vivemos para agradar e não para ser agradado e se cada um tiver esse cuidado, todos vão ser agradados e vai existir paz e Cristo está reinando entre o seu povo, o amor de Deus está existindo e haverá perseverança de todos. Cristo foi assim para conosco.
O apostolo Tiago continua sua pregação sobre a sabedoria dizendo: Tiago 3:17 e 18: Mas a sabedoria que do alto vem é, primeiramente pura, depois pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, e sem hipocrisia. Ora, o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz.
Nestes versículos reconhecemos que só temos uma condição para ter a sabedoria de Deus: é pedir a Deus e buscar na paz. As cobiças, os combates e guerras de acordo são apostolo que escreveu inspirado pelo espírito de Deus, não dão resultados favoráveis aos dons espirituais, pois quem desejar crescer espiritualmente, cultivar dons espirituais, adquirir sabedoria e conhecimento e ter entendimento, tem que pedir a Deus.
O apostolo Tiago foi bem claro quando ele escreveu no capítulo 4:2 e 3: “Cobiçais, e nada tendes; matais, e sois invejosos, e nada podeis alcançar; combateis e guerreais, e nada tendes, porque não pedis. Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites”.
Então vemos com muita clareza que não é com essas coisas que se alcançam os dons de Deus, é preciso pedir, mas sobre o pedir a Deus também exige de nós, muito cuidado sobre o que e como pedimos. Os pedidos a Deus devem ser feitos por meio de oração com humilhação, com simplicidade de coração, através da fé, de votos como jejuns e vigílias e outros bem conhecidos da irmandade. Tudo isso é uma condição para nosso pedido ser bem feito. Sempre devemos meditar sobre nossos pedidos, é realmente uma necessidade? Estamos pedindo a favor do nosso irmão? Não estamos pedindo exaltação ou superioridade sobre nosso irmão? Isso já sabemos que não agrada a Deus.
Vejamos outras referencias na Bíblia que pode nos deixar cuidadosos: Jó 27:9 – “Porventura Deus ouvirá o seu clamor, sobrevindo-lhe a tribulação?” farei uma outra pergunta para nossa reflexão: “Deus houve o nosso clamor estando em tribulação?
Salmos 18:41 – “Clamaram, mas não houve quem os livrasse; até ao SENHOR, mas ele não lhes respondeu”. Aqui está dizendo que os clamores, nem Deus responderá;
I João 3:22 – “E qualquer coisa que lhe pedirmos, dele a receberemos, porque guardamos os seus mandamentos, e fazemos o que é agradável à sua vista”.
Aqui ele respondeu a pergunta dizendo que recebemos qualquer coisa que pedirmos, mas que para isso precisamos guardar os seus mandamentos e ser-lhes agradáveis. A recomendação é que antes de fazer nossos pedidos examinamos nossa consciência, nosso coração e nos humilharmos. Não pedir com interesses de satisfazer desejos da matéria ou mesmo a cólera do coração, pedindo mal ao nosso próximo. Parece difícil? É uma porta sempre estreita que exige de nós santidade e aproximação de Deus. Temos que lembrar sempre de Deus, mas esse lembrar não é aquele recordar na memória como se lembra de um recado recebido ou de uma pessoa que é seu amigo e que está distante. Esse lembrar é presente em nossas vidas em tudo o que vamos fazer.
Sobre o pedido veja o que Jesus disse em Mateus 7:7 e 11: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á. Porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á. E qual de entre vós é o homem que, pedindo-lhe pão o seu filho, lhe dará uma pedra? E, pedindo-lhe peixe, lhe dará uma serpente? Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará bens aos que lhe pedirem? Nisso temos certeza que os pedidos em oração serão aceitos, porque como dito pelo próprio apostolo Tiago 5. 11, “porque o Senhor é muito misericordioso e piedoso”. Esse é o nosso Deus.
O apostolo Paulo escreveu em Hebreus 6:10  sobre a bondade de Deus para com aqueles que nele tem esperança e são cuidadosos para com sua obra dizendo: “Porque Deus não é injusto para se esquecer da vossa obra, e do trabalho do amor que para com o seu nome mostrastes, enquanto servistes aos santos; e ainda servis”.
Paulo fala ainda do seu desejo nos versículos 11 e12 dizendo: “Mas desejamos que cada um de vós mostre o mesmo cuidado até ao fim, para completa certeza da esperança; Para que vos não façais negligentes, mas sejais imitadores dos que pela fé e paciência herdam as promessas”.
Então entendemos perfeitamente, que Deus quer nos dar a salvação, ele como um pai bondoso, que atender os pedidos dos seus filhos, quer ouvir as orações e socorrer, e como pai amoroso que é, também ele quer dos seus filhos a obediência à sua palavra. Não podemos pensar que podemos andar de qualquer maneira, fazer o que queremos, do jeito que entendemos que está tudo bem. Não podemos pensar assim, porque Deus é aquele pai cuidadoso e que está atento ao que os filhos estão fazendo. Portanto ele próprio disse em Êxodo 20:5 e 6: “porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. E faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos”.
O apostolo Tiago no capitulo 4:4 ainda deixa a seguinte alertação: “Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus”. Também encontramos nos escritos do apostolo João recomendações que devem ser observadas por aqueles que desejam merecer toda atenção e carinho de Deus. Observamos o que está escrito em I João 3:15 e 17: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo. E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre”.
Precisamos ser sabedores de que, para agradar a Deus temos que nos privar de muitas coisas que são boas e satisfatórias à esta vida. Muitas coisas devem ser renunciadas e muitas são vistas como perda. Sobre isso veja o que disse Jesus em Mateus 16:24 e 25: “Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á.  O apostolo Paulo disse em Filepenses 3:8 E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo”. Quando o apostolo Paulo fala da perda, sabemos da sua ocupação que tinha e por Cristo e que ele deixou tudo. O que é que nós também devemos fazer para ganhar a vida eterna? Sabemos que é preciso buscar e correr a vida toda e não podemos correr em vão, temos que correr de forma que alcancemos.
O alerta é o seguinte: Deus nos atende a qualquer momento, lugar ou hora, mas de nós exige-se todo cuidado, sem esquecer que quem é chamado para o seu caminho, não é chamado para viver de qualquer maneira, mas com compromisso. Encontramos esta alertação nos escritos do apostolo Paulo em I Tessalonicenses 4:3 e 5 dizendo: Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação; que vos abstenhais da prostituição; Que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santificação e honra; Não na paixão da concupiscência, como os gentios, que não conhecem a Deus”.
Podemos comparar Deus a um pai que tem seu filho em que todo tempo está lhe dedicando amor, carinho, educação... e esse filho não houve, faz sempre o que lhe aborrece. O pai sofre por ele, mas talvez no momento em que ele clamar sua situação a primeira decisão do pai é deixá-lo sofrer por sua desobediência, mesmo que depois vai procurar dar o socorro que ele precisa. Mas será que em toda situação há um tempo de espera até que passa alguns sentimentos? Será que contém a rebeldia contra o pai? Está escrito em Isaías 66. “Os que se santificam, e se purificam, nos jardins uns após outros; os que comem carne de porco, e a abominação, e o rato, juntamente serão consumidos, diz o SENHOR”. Também encontramos outra alertação do apostolo Paulo em Aos Hebreus capítulo 10. 30 e 31: “Porque bem conhecemos aquele que disse: Minha é a vingança, eu darei a recompensa, diz o Senhor. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo. Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo.”
E porque o apostolo Tiago chamou de adúlteros e adúlteras em seu escrito? Sabemos que quem procura satisfazer o mundo e os desejos da matéria está traindo Deus que confiou em nós o espírito santo e que nos confiou sua verdade. O apostolo faz essa pergunta: Tiago 4. 5 – Ou cuidais vós que em vão diz a Escritura: O Espírito que em nós habita tem ciúmes?” Deus não quer ver seus servos se contaminando com as obras pecaminosas do mundo e suas iniqüidades, por que ele deu seu filho Jesus que morreu numa cruz pelos nossos pecados e com seu sangue que derramou naquela cruz nos purificou dos pecados e nos selou com o espírito para sermos seu povo e nos chamou para a santificação do corpo e do espírito. Portanto, temos a certeza que Deus não quer ver seus filhos inclinados para o mal, cometendo pecado e andando corrompido com o mundo. Ele quer ver seus filhos permanecendo na sua presença e andando conforme a sua vontade. Para sermos agradáveis a Deus, devemos nos esforçar para andar conforme sua vontade, sem provocar-lhe ciúmes.
Encontramos nas Escrituras Sagradas, os escritos sobre um ato de prostituição do povo contra o senhor Deus, uma das obras que mais lhe aborrece. Isto foi no tempo do Antigo Testamento, quando Deus por meio do profeta Moises conduzia seu povo para a terra prometida. Neste dia o povo estava festejando a um ídolo, a um bezerro de ouro que tinham feito e estavam chamando de Deus. Em Êxodo 32:6 e 8, assim está escrito: “E no dia seguinte madrugaram, e ofereceram holocaustos, e trouxeram ofertas pacíficas; e o povo assentou-se a comer e a beber; depois levantou-se a folgar. Então disse o SENHOR a Moisés: Vai, desce; porque o teu povo, que fizeste subir do Egito, se tem corrompido, E depressa se tem desviado do caminho que eu lhe tinha ordenado; eles fizeram para si um bezerro de fundição, e perante ele se inclinaram, e ofereceram-lhe sacrifícios, e disseram: Este é o teu Deus, ó Israel, que te tirou da terra do Egito.
O apostolo Paulo também falou sobre esta ação do povo nos seus escritos em I Coríntios 10:8 deixando este aviso: “E não nos prostituamos, como alguns deles fizeram; e caíram num dia vinte e três mil”.
A desobediência a estas palavras implicam ao que foi escrito pelo dedo de Deus nas duas tábuas de pedras em que escreveu os seus 10 Mandamentos, como está escrito em Êxodo 31:18: “E deu a Moisés (quando acabou de falar com ele no monte Sinai) as duas tábuas do testemunho, tábuas de pedra, escritas pelo dedo de Deus”.
Conforme as palavras de Deus, conhecendo e não querer obedecer aos seus mandamentos é um ato de transgressão a sua lei e é também uma questão de soberba, de não querer obedecer a palavra de Deus, e sobre isso escreveu o apostolo Tiago no cap. 4 vers. 6: “Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes”.
Sabemos que os soberbos são os que se acham a cima de tudo e não se humilham nem pra Deus e Deus luta contra eles. E aos humildes, conforme está escrito, Deus dá graças, da a sua ajuda divina. Reconhecemos nisso que devemos sujeitar a Deus, sermos obedientes as suas ordens. O apostolo ainda alerta: vers. 7 “Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós”. Isto é, devemos nos defender das ciladas do diabo, e estar cuidadosos pra não ser apanhado nos seus planos.
O apostolo faz esta recomendação no vers. 8: “Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Alimpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai os corações”.
Então estamos alertados de que quem se chega para Deus, Deus também se chegará para ele e que os corações limpos é fundamental para que tenhamos Deus junto de nós e que para isto a humilhação é fundamental.  E o apostolo Tiago ainda disse no capítulo 4. 10: “Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará”.
Vejamos o exemplo da humilhação deixada numa parábola de Jesus sobre o farizeu e publicano que foram ao templo orar e tiramos nisso as nossas conclusões. Lucas 18:10 ao 14. “E disse também esta parábola a uns que confiavam em si mesmos, crendo que eram justos, e desprezavam os outros: Dois homens subiram ao templo, para orar; um, fariseu, e o outro, publicano. O fariseu, estando em pé, orava consigo desta maneira: Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros; nem ainda como este publicano. Jejuo duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto possuo. O publicano, porém, estando em pé, de longe, nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador!
Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado.
Importante também os conselhos deixados pelo Apostolo em Tiago 4:11: “Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Isto Deus não quer que façamos e isto não agrada a Deus. O que não é do agrado de Deus não podemos fazer.
O apostolo Tiago continua com estes ensinamentos, capítulo 4:11 e 12: “Quem fala mal de um irmão, e julga a seu irmão, fala mal da lei, e julga a lei; e, se tu julgas a lei, já não és observador da lei, mas juiz. Há só um legislador que pode salvar e destruir. Tu, porém, quem és, que julgas a outrem?”
Em Mateus no capitulo 7, versículos 1 – 5 está escrito: “NÃO julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós. E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão. Então vemos claramente que devemos procurar ser obedientes aos mandamentos de Deus, humilhar e ser cuidadosos para não entristecer a Deus. conforme a alertação do apostolo, não podemos falar mal de irmão nenhum e nem fazer julgamentos, pois o julgamento pertence somente a Jesus Cristo. Se algum irmão está em tribulação, Jesus é o advogado de defesa deste irmão. Ele está sempre presente para ajudar e defender. Ele já fez essa defesa uma vez, dando sua vida pelos pecadores, então não nos adianta querer condenar nosso próximo, que assim estaremos nos condenando a nós mesmos.
Com este artigo espero contribuir muito com os leitores, não que minhas palavras sejam o ensinamento final, que dá toda a condição para que tenham o mais perfeito conhecimento sobre a vontade de Deus e de como andar na presença do Senhor sendo-lhe agradável, mas que dá toda condição para reflexão constante sobre como fazer a vontade de Deus. É o que Deus quer de cada um conforme escrito pelo Apostolo Paulo e, I Timóteo 2:3 e 4: Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade, para a conhecimento da verdade. Assim o leitor se torna autônomo para fazer a vontade do criador, não como há de agradar à alguma pessoa, mas somente ao Senhor que quer dar-lhe sua salvação. Fazendo assim, temos a certeza de que estamos preparados para a purificação, para a santificação que Deus requer de cada um de nós, sendo sábios com a sabedoria do céu, verdadeiros para com Deus e preparados para amar aos irmãos.
 
 
Atualizado em ( 07-Oct-2011 )

Publicações