Foto da noticia

A Sã Doutrina: do Princípio aos Dias de Hoje

02 de Agosto de 2016


Escrito por Roseli da Silva Lopes   
30-May-2011
www.sadoutrina.org - Biblioteca Digital - Trabalhos
 
Elaborado e apresentado pela Reunião de Jovens do Ministério do Jardim São Cristóvão – Campinas no V Encontro Nacional de Jovens da Sã Doutrina Espiritual do Sétimo Dia, sediado pela Grande São Paulo na cidade de Suzano no dia 13/11/94.
Desde a formação do mundo o Senhor Deus sempre teve um cuidado especial para com um povo, que elegeu como seu: O povo de Israel. Tanto que destinou profetas, juízes, reis, enfim, grandes líderes para guiar e auxiliar o povo escolhido.
Através desses homens, Deus prometia o livramento para o povo de Israel, com profecias de que haveria de vir um Salvador. E chegou o tempo, e Deus enviou seu filho, Jesus Cristo, para trazer as boas novas à humanidade, segundo a qual já não era mais pregado um reino na terra, mas sim um Reino Espiritual.
Entretanto, conforme também previam as profecias, o povo de Israel rejeitou o filho de Deus, contando-o entre os transgressores conforme está previsto no 53 de Isaías: “Da opressão e do juízo foi tirado. Quem contará o tempo da sua vida? Porquanto foi cortado da terra dos viventes: pela transgressão do meu povo foi ele atingido. Porquanto derramou sua alma na morte e foi contado com os transgressores, mas ele levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercede”.
E através da morte do nosso amado Senhor Jesus, foi aberta a salvação a todos os moradores da terra, que  obedecessem aos ensinamentos do Mestre.
Após a morte de Cristo, a sua nova Doutrina foi levada ao conhecimento de todos os povos, por intermédio dos apóstolos e dos primeiros discípulos.
No primeiro século depois da morte de Cristo, entre os anos de 64 e 67, o Apóstolo Paulo escreveu acerca da Sã Doutrina na carta que enviou à Tito e Timóteo, exortando-os a perseverarem na Sã Doutrina e prevenindo-os de que surgiriam falsos ensinamentos. Também exortou à Timóteo, que insistisse em pregar a palavra em tempo e fora de tempo e que jamais desviasse da Sã Doutrina, mas que cumprisse a ordem do verdadeiro evangelista e o seu ministério.
E com muitas outras palavras, o Apóstolo Paulo e os demais Apóstolos pregaram a Sã Doutrina, a qual foi amplamente divulgada pelos discípulos.
Após o primeiro século da era cristã, com a morte dos primeiros evangelistas, tudo nos leva a crer que prevaleceu o domínio da Igreja Romana, ficando a Sã Doutrina oculta durante 18 séculos.
Não sabemos se após o surgimento do protestantismo, com a maior liberação do pensamento religioso, se a Sã Doutrina surgiu em algum país da terra.
Quanto à Sã Doutrina nos dias de hoje, temos conhecimento através de pesquisas realizadas com irmãos considerados primitivos dentro da nossa religião e também através de manuscritos, que esta ressurgiu no Brasil no início do século 20, por volta dos anos de 1914 a 1916, mais especificamente  num pequeno arraial da região chamada de “Alta Sorocabana”, no interior do Estado de São Paulo.
Assim como Jesus veio ao mundo de forma humilde, nascendo em uma simples manjedoura, a Sã Doutrina também foi revelada para pessoas simples e humildes, cumprindo o que o próprio Mestre havia dito: “Graças de dou oh pai, que ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos e revelaste aos pequeninos”.
Muitos são os relatos e testemunhos afirmando que a Sã Doutrina foi revelada à uma jovem, durante um arrebatamento onde o Espírito Santo revelou os fundamentos da nossa religião. 
Durante esse arrebatamento, a jovem falava palavras de grande mistério, dando a entender a necessidade de uma nova vida, e todos os que a ouviam ficavam impressionados.  Ela recebeu maravilhosos dons, de profecia e cura.
Nesse arrebatamento, foram reveladas as três comunicações dos trabalhos espirituais:
A Ceifa, que é a pregação do evangelho aos mortos, com base no que Jesus fez no intervalo da sua morte e ressurreição, relatados no capítulo 4 de I Pedro, vers. 6 “Porque por isto foi pregado o evangelho também aos mortos, para que, na verdade,  fossem julgados segundo os homens na carne, mas vivessem segundo Deus em espírito.”
A caridade, que é a oportunidade de salvação para os espíritos que já foram purificados pelo fogo, com base nos escritos de Paulo no capítulo 13 de I aos Coríntios.
A Promessa, que é o cumprimento da descida do Espírito Santo que Jesus deixou marcado nos capítulos 14, 15 e 16 de São João, e que foi também cumprida na época dos apostolos no dia de pentecostes, conforme relata o capítulo 2 de Atos, onde o apostolo Pedro disse “esta promessa é para vós, vossos filhos e todos aqueles que um dia hão de crer nas palavras de Jesus”. E quase dois mil anos depois, numa terra longínqua, estas palavras cumprem-se na Sã Doutrina.
Naquela época, poucas pessoas tinham acesso a uma escritura sagrada, as quais eram muito caras e tinham que ser importadas. Apesar das dificuldades, foi conseguida uma Bíblia, através da qual foram confirmadas todas as revelações mostradas à jovem durante o arrebatamento.
Os primeiros irmãos da Sã Doutrina não possuíam muita cultura, mas com grande fé realizavam o Culto Espiritual, denominado na época de “Curativo”, pois através dos mesmos eram realizadas muitas curas de doenças, expulsão de demônios e operações espirituais. No sábado, o Culto Espiritual era chamado de “seção” e não havia pregação da sagrada escritura.
Os irmãos daquela época tinham alguns costumes, como: Chamavam de compadres e comadres aos irmãos que batizavam seus filhos. O vício de fumar era comum. Além disso, alguns criavam e comiam porcos. Muitos usavam armas. Alguns irmãos, por falta de conhecimento, tinham afinidades religiosas com outras denominações.
A maioria desses costumes foram sendo deixados com o tempo, conforme os irmãos foram adquirindo maior cultura dentro do evangelho.
Um dos costumes que se tinha antigamente e que perdura até hoje, é o banho de curativo, também chamado de “choque de água fria”, acompanhado de ungimento com óleo. Esse banho visa a cura de enfermidades.
Segundo o relato do Irmão Ditinho, além dos cânticos baixados pelo Espírito Santo, naquela época eram também cantados hinos protestantes, retirados de um livrinho chamado “Expresso”.
Naquele tempo os irmãos não tinham o hábito de cantar hinos utilizando-se cópias, os hinos eram todos cultivados.  Essa é uma das razões pela qual muitos dos cânticos daquela época foram esquecidos com o tempo, pois não foram copiados em cadernos.
Por algum tempo a Sã Doutrina foi chamada por vários nomes, como “Crente Israelita”, “Israelita da Paz” e “Crente Espiritual”. Mas havendo necessidade de se ter um nome definitivo para a religião, os irmãos observaram a sagrada escritura, nas cartas de Paulo à Timóteo e à Tito,  e concluíram que o nome mais apropriado seria “Sã Doutrina Espiritual do Sétimo Dia”.  
Com o tempo, a Sã Doutrina foi evoluindo e aumentou muito o número de adeptos, havendo necessidade da construção de locais mais apropriados para agregar o povo de Deus. Foi então construída o primeiro Templo na cidade de Garça. Posteriormente foram construídos muitos outros Templos em outras cidades.
Com o aumento do número de jovens, também houve necessidade de se criar reuniões de estudos bíblicos dentro da Sã Doutrina. A primeira Reunião de Jovens foi iniciada em 1976, na Cidade de Umuarama - Paraná. Desde então e principalmente a partir da década de 80, a mocidade foi conseguindo cada vez mais espaço dentro da religião e as Reuniões de Jovens foram crescendo de cidade em cidade. Hoje a reunião existe em quase todas as cidades onde existem irmãos da Sã Doutrina.
Os fatos mencionados nesse trabalho tiveram como base os depoimentos de vários irmãos e também o livro manuscrito feito pelo nosso irmão Luiz Gállio, hoje falecido, o qual foi fruto de uma pesquisa de dois anos, feita no início dos anos 60.
Para encerrar, citaremos agora os nomes de alguns  irmãos que ainda estão entre nós e que tiveram o privilégio de presenciar muitos desses fatos que acabamos de relatar. É o caso de nossa Irmã Otília de Almeida Barboza, com idade de 75 anos e 74 anos de Sã Doutrina, a qual reside atualmente na cidade de Rio Claro.  Temos também a irmã Ana Bispo, residente em Campinas, que possui mais ou menos 72 anos de Sã Doutrina. Temos ainda o nosso Irmão Benedito Alves da Silva, com 80 anos de idade e 72 anos de Sã Doutrina, morando atualmente na cidade de Campinas.
Irmãos, podemos notar que nesses 80 anos de Sã Doutrina no Brasil, não foram mudados os principios básicos de nossa religião, mas sim foram aperfeiçoados.
Agradeçamos então ao nosso Senhor Deus que nos concedeu o privilégio de conhecer e participar dos mistérios dessa maravilhosa riqueza que é a SÃ DOUTRINA ESPIRITUAL DO SÉTIMO DIA. E vamos lutar para que nossa religião seja cada vez mais aperfeiçoada e também divulgada entre a humanidade. Pois afinal ela é um manancial que jorra água para a vida eterna.

Atualizado em ( 30-May-2011 )

Publicações