Foto da noticia

A Reconstrução de Jerusalém

02 de Agosto de 2016


Escrito por Silvano Sá da Costa   
10-Mar-2008
www.sadoutrina.org - Biblioteca Digital - Trabalhos
 - silvaclarimi@yahoo.com.br


                                                                   
Do povo levado cativo, houve muitos que fizeram obras boas diante dos olhos de Deus e passando-se setenta anos e no primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia, o Senhor Deus despertou o seu espírito e este anunciou no seu reino sobre a reconstrução do templo de Jerusalém, o qual havia sido destruído pelo reino da Babilônia. Ciro sucedeu o rei Astíages (nós observamos essa sucessão no livro apócrifo de Daniel – capítulo 14). Nessa época o profeta Daniel estava junto ao seu reino e era o mais honrado entre os seus amigos. O relato da reconstrução de Jerusalém, queimada por ordem de Nabucodonosor, o qual levou cativo o povo para a Babilônia, encontra-se nos livros de Esdras, Neemias e Ageu.No primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia, para que se cumprisse a palavra do Senhor pelo ministério do profeta Jeremias, Deus despertou o espírito desse rei, o qual fez passar pregão por todo o reino, como também por escrito, dizendo: “Assim diz Ciro, rei da Pérsia: O Senhor Deus dos céus me deu todos os reinos da terra; e ele me encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que é em Judá. Quem há entre vós, de todo o seu povo, seja seu Deus com ele, e suba a Jerusalém, que é em Judá e edifique a casa do Senhor Deus de Israel: ele é o Deus que habita em Jerusalém. E todo aquele que ficar em alguns lugares em que andar peregrinando, os homens do seu lugar o ajudarão com prata, e com ouro, e com fazenda e com gados, afora as dádivas voluntárias para a casa do Senhor, que habita em Jerusalém”.

Então se levantaram os chefes dos pais de Judá e Benjamim, os sacerdotes e os levitas, com todos aqueles cujo Deus despertou para edificarem a casa do Senhor em Jerusalém. E todos os que habitavam nos arredores deram-lhes vasos de prata, ouro, fazenda, gados e coisas preciosas, afora tudo o que voluntariamente se deu. Também o rei Ciro tirou os vasos da casa do Senhor, que Nabucodonosor tinha trazido de Jerusalém e que tinha posto na casa de seus deuses, pelas mãos de Mitredate, o tesoureiro, que os deu a Sesbazar, príncipe de Judá. E a quantia dos tesouros foi: trinta bacias de ouro, mil bacias de prata, vinte e nove facas, trinta taças de ouro, quatrocentos e dez taças de outra espécie e mil outros vasos; e Sesbazar os levou para Jerusalém, quando saíram da Babilônia com o intuito de reconstruir a casa do Senhor. E a quantidade do povo que saiu da Babilônia foi de quarenta e nove mil, oitocentos e noventa e sete pessoas, considerando o escrito em Esdras 2:64,65. Entre eles estavam Zorobabel, Jesua, Neemias, Seraías, Reelaías, Mardoqueu, Bilsã, Bigvai, Reum e Baana. E levaram consigo setecentos e trinta e seis cavalos, duzentos e quarenta e cinco mulos, quatrocentos e trinta e cinco camelos e seis mil e setecentos e vinte jumentos. E habitaram os sacerdotes e os levitas e alguns do povo, tanto os cantores, como os pedreiros e os netineus, nas suas cidades, como também todo o Israel nas suas cidades.Chegando o sétimo mês e estando os filhos de Israel já nas cidades, se ajuntou o povo em Jerusalém. E Jesua, filho de Josadaque, e seus irmãos que eram sacerdotes e Zorobabel, filho de Sealtiel(Salatiel) e seus irmãos edificaram o altar do Deus de Israel para oferecerem sobre ele holocaustos, como está escrito na lei de Moisés, o homem de Deus. E firmaram o altar sobre as suas bases, porque o terror estava sobre eles, por causa do povo das terras; e ofereceram sobre ele holocaustos de dia em dia, por ordem, conforme ao rito, cada coisa no seu dia. 

E depois disto o holocausto contínuo e os das luas novas e de todas as solenidades consagradas ao Senhor, como também de qualquer que oferecia oferta voluntária ao Senhor. Deram dinheiro aos cortadores e artífices, como também comida, bebida e azeite aos sidônios e aos tírios para trazerem do Líbano madeira de cedro pelo mar, para Jope, segundo a concessão que lhes tinha feito Ciro, rei da Pérsia.E no segundo ano da sua vinda à casa de Deus em Jerusalém, no segundo mês, começaram a constituir levitas da idade de vinte anos e daí para cima, para que aviassem a obra da casa do Senhor. E vigiaram os que faziam a obra na casa de Deus. Quando os edificadores lançaram os alicerces do templo do Senhor, então se apresentaram os sacerdotes, já revestidos e com trombetas e os levitas, filhos de Asafe, com saltérios para louvarem ao Senhor, conforme à instituição de Davi, rei de Israel. E cantavam a revezes, louvando e celebrando ao Senhor. E todo o povo jubilou com grande júbilo e os sacerdotes e levitas, já velhos, que viram o primeiro templo, vendo perante os seus olhos esse novo templo choraram em altas vozes.Ouvindo os adversários de Judá e Benjamim que os que tornaram do cativeiro edificavam o templo de Deus, chegaram-se a Zorobabel e aos chefes dos pais e pediram para que deixassem que eles edificassem com eles; porém eles lhes negaram, informando-lhe sobre a ordem de Ciro (esse povo, possivelmente, foi transportado na época em que Salmanazar reinava sobre a Assíria, o qual transportou o povo israelita para a sua terra e enviou gente para habitar em Samaria – II Reis, 17:24-41). Todavia o povo da terra debilitava as mãos do povo de Judá e inquietava-os no edificar e alugaram contra eles conselheiros para frustrarem o seu plano, todos os dias de Ciro até o reinado de Dário.E Bislão, Mitredate, Tabeel e os outros da sua companhia escreveram uma carta contra Jerusalém a Artaxerxes, rei da Pérsia, pelas mãos de Reum, o chanceler, e Sinsai, o escrivão, dizendo que aquele povo, o qual reedificava aquela cidade não pagariam os tributos e as rendas e danificariam as fazendas dos reis. E Artarxerxes deu resposta à carta, dizendo que haviam buscado no livro das crônicas dos reis e observaram que em tempos antigos aquela cidade se levantou contra os reis e nela se tinha feito rebelião e sedição; também havia tido reis poderosos sobre Jerusalém que dominaram em todo o lugar e foram pagos a eles direitos, tributos e rendas. E disse para que dessem ordem para que os que reedificavam aquela cidade, paralizasse a obra até que fosse dada uma ordem para prosseguimento. Então depois que a cópia da carta do rei Artarxerxes se leu perante Reum, Sinsai e seus companheiros, apressadamente foram eles a Jerusalém e impediram o povo à força de braço e com violência. E dessa forma cessou a obra da casa de Deus até ao ano segundo do reinado de Dário, rei da Pérsia (este rei não é o mesmo que sucedeu Belsazar, filho de Nabucodonosor).

E os profetas Ageu e Zacarias profetizaram aos judeus que estavam em Judá e em Jerusalém. Então se levantaram Zorobabel e Jesua e começaram a edificar a casa do Senhor, sendo acompanhados pelos profetas de Deus, que os ajudavam. Naquele tempo veio a eles Tatenai, governador daquém do rio, e os seus companheiros, interrogando-lhes quem havia dado ordem para edificar aquela casa e restaurar o muro. Porém os olhos de Deus estavam sobre os anciãos de Judá, evitando que aqueles homens impedissem a reconstrução. E Tatenai, Setarboznai e seus companheiros escreveram uma carta a Dário, rei da Pérsia, narrando o acontecimento e dizendo para que o rei buscasse na casa dos tesouros do rei em Babilônia se era verdade que o rei Ciro havia dado uma ordem para edificarem a casa de Deus em Jerusalém. Então o rei Dário deu ordem e buscaram na chancelaria, onde se colocavam os tesouros em Babilônia e em Acmeta, no palácio, na província da Média, se achou um rolo e nele estava escrito um memorial sobre a ordem de Ciro para a reconstrução do templo de Deus. E assim, Dário disse a Tatenai para que deixassem os judeus prosseguirem a edificação e decretou que da fazenda do rei, dos tributos dalém do rio, se pagasse prontamente a despesa a estes homens, para que não fossem impedidos e o que fosse necessário, como bezerros, cordeiros e carneiros para holocausto ao Deus do céu; trigo, sal, vinho e azeite, segundo o rito dos sacerdotes que estavam em Jerusalém; e que fosse dado a eles de dia em dia, para que não faltasse e dessa forma oferecessem sacrifícios de cheiro suave ao Deus dos céus e orassem pela vida do rei e de seus filhos; e o homem que mudasse esse decreto, um madeiro se arrancaria da sua casa e levantado, o penduraria nele e a sua casa seria feito um monturo. 

Então Tatenai, Setarboznai os seus companheiros assim fizeram apressuradamente conforme ao que decretara o rei Dário e os anciãos dos judeus iam edificando e prosperando pela profecia do profeta Ageu e de Zacarias, filho de Ido; e edificaram a casa e a aperfeiçoaram conforme o mandado do Deus de Israel; e do mandado de Ciro, Dário e Artarxerxes, reis da Pérsia. E acabou-se essa casa no dia terceiro do mês de Adar, que era o sexto ano do reinado do rei Dário. E os filhos de Israel, os sacerdotes, os levitas e o resto dos filhos do cativeiro fizeram a consagração da casa de Deus com alegria e ofereceram cem novilhos, duzentos carneiros, quatrocentos cordeiros e doze cabritos por expiação do pecado de todo o Israel, segundo o número das tribos de Israel. E puseram os sacerdotes nas suas turmas e os levitas nas suas divisões para o ministério de Deus, conforme o escrito de Moisés e os que vieram do cativeiro (da Babilônia) celebraram a páscoa no dia catorze do primeiro mês. E celebraram a festa dos pães asmos os sete dias com alegria, porque o Senhor os tinha alegrado e tinha mudado o coração do rei da Assíria a favor deles, para lhes fortalecer as mãos na obras da casa de Deus.E no sétimo ano do reinado de Artarxerxes, rei da Pérsia, Esdras, filho de Seraías, no quinto mês subiu de Babilônia e o rei lhe deu tudo quanto lhe pedira. (Esdras era escriba hábil na lei de Moisés). Também subiram a Jerusalém alguns dos filhos de Israel, dos sacerdotes, levitas, cantores, porteiros e dos netineus, porque no primeiro dia do primeiro mês foi o princípio da sua subida de Babilônia e no primeiro dia do quinto mês chegou a Jerusalém, segundo a boa mão do seu Deus sobre ele, porque tinha preparado o seu coração para buscar a lei do Senhor e para cumprir e ensinar em Israel os seus estatutos e os seus direitos. 

E Artarxerxes decretou - que todo o povo de Israel que quisessem ir com Esdras para Jerusalém, tinham a permissão do rei; e  mandou por eles a prata e o ouro para que fosse comprado novilhos, carneiros e cordeiros para que oferecessem com eles ofertas de manjares e as suas libações sobre o altar da casa de Deus em Jerusalém; e deu ordem para os tesouros dalém do rio que tudo quanto Esdras pedisse, apressuradamente dessem a ele; até cem talentos de prata, até cem coros de trigo, até cem batos de vinho e até cem batos de azeite e sal sem conta. E saindo Esdras com todo o povo que o seguiu, apregoaram um jejum junto ao rio Aava para que o Senhor Deus abençoasse o seu caminho, com toda a fazenda que levavam, porque ele se envergonhou de pedir ao rei Artarxerxes, exército e cavaleiros para que os defendessem dos inimigos no caminho. Haviam falado ao rei que a mão do Deus de Israel era sobre todos os que o buscam para o bem e a sua ira sobre todos os que deixam-no. E levavam com eles seiscentos e cinqüenta talentos de prata e em vasos cem talentos; e cem talentos de ouro; e vinte taças de ouro de mil dracmas e dois vãos de bom metal lustroso, tão desejável como ouro. E partiram do rio de Aava no dia doze do primeiro mês e o Senhor Deus os livrou da mão dos inimigos e dos que armavam ciladas no caminho e vindo a Jerusalém, repousaram ali três dias e no quarto dia se pesou a prata, o ouro e os vasos na casa de Deus, por mão de Meremote, filho do sacerdote Urias; e com ele estava Eleazar, filho de Finéias; Jozadabe, filho de Jesua e Nodias, filho de Binuí. E ofereceram holocaustos a Deus: doze novilhos por todo o Israel, noventa e seis carneiros, setenta e sete cordeiros e doze bodes em sacrifício pelo pecado. Então deram as ordens do rei aos sátrapas do rei e aos governadores de aquém do rio; e ajudaram o povo e a casa de Deus.Depois disto, chegaram a Esdras os príncipes dizendo que o povo de Israel, os sacerdotes e os levitas não tinham se separado dos povos das outras terras, seguindo as abominações dos cananeus, heteus, fereseus, jebuseus, amonitas, moabitas, egípcios e amorreus, porque tomaram das suas filhas para si e para seus filhos e assim se misturou a semente santa com outros povos e até a mão dos príncipes e magistrados foi a primeira nessa transgressão. 

E sabendo disso, Esdras rasgou o seu vestido e o seu manto e arrancou os cabelos da sua cabeça e barba e assentou-se atônito até ao sacrifício da tarde, quando se levantou, se pôs de joelhos e estendeu as mãos para o Senhor Deus e a Ele orou, chorando, confessando os pecados cometidos pelo povo. E ajuntou-se a ele uma grande congregação do povo de Israel e choravam com grande choro. E Secanias, filho de Jeiel, disse a Esdras para que fizessem concerto com Deus e que despedissem as mulheres estranhas do povo de Israel, juntamente com seus filhos e pediu para que ele se levantasse, pois todos seriam com ele. Então Esdras se levantou e ajuramentou os maiorais dos sacerdotes e dos levitas e a todo o Israel, de que fariam conforme aquela palavra; e eles juraram. E entrando na câmara de Joanã, filho de Eliasibe, não comeu pão nem bebeu água, porque estava anojado pela transgressão do povo. E fizeram passar pregão por Judá e Jerusalém a todos os que tinham vindo do cativeiro, para que se ajuntassem em Jerusalém e que todo aquele que em três dias não viesse, segundo o conselho dos príncipes e dos anciãos, toda a sua fazenda se poria em interdito e seriam separados da congregação do povo de Israel. Então todos os homens de Judá e Benjamim em três dias se ajuntaram em Jerusalém no dia vinte do nono mês; e todo o povo se assentou na praça da casa de Deus, tremendo por aquele negócio e das grandes chuvas. E Esdras falou para o povo que havia transgredido contra o Senhor, casando-se com mulheres estranhas, multiplicando o delito de Israel e pediu para que eles fizessem confissão dos seus pecados ao Deus de Israel. E por causa do grande número do povo e ser tempo de grandes chuvas, Esdras pediu para que pusessem sobre aquele negócio os príncipes, bem como os anciãos de Judá, para que dividissem o povo em cada dia, para que pudessem confessar seus pecados diante de Deus. Porém somente Jônatas, filho de Asael, e Jeasias, filho de Ticvá, se puseram sobre este negócio; e Mesulão e Sabetai os ajudaram. 

E até o primeiro dia do primeiro mês cessou a confissão daqueles que haviam casado com mulheres estranhas, as quais foram despedidas por eles.No mês de Quisleu, no ano vigéssimo de Artarxerxes, rei da Pérsia, estando Neemias, filho de Hacalias, em Susã, veio seu irmão Hanani e outros que estavam com ele de Judá e falou-lhe sobre a ruína de Jerusalém, da grande miséria e desprezo e a situação dos muros, os quais se achavam fendidos e suas portas queimadas. E ouvindo isso, Neemias assentou-se e chorou, lamentando por alguns dias, jejuando e orando perante o Deus dos céus. E Neemias era copeiro do rei Artarxerxes e no mês de Nisã, no vigésimo ano desse rei, quando Neemias provava o vinho diante do rei e após isso o dera para que bebesse, apresentava o seu semblante triste, que foi notado pelo rei, que lhe perguntou o motivo da sua tristeza. E o rei perguntou-lhe o que poderia fazer por ele e então Neemias respondeu-lhe que gostaria de ir até Jerusalém para reedificá-la. E o rei enviou por ele cartas aos governadores dalém do rio, para que dessem passagem para que chegasse até Judá e também uma carta a Asafe, guarda do jardim do rei, para que desse a ele madeira para cobrir as portas do paço da casa e para o muro da cidade. E Neemias veio aos governadores dalém do rio e lhes deu as cartas do rei; e o rei tinha enviado com ele chefes do exército e cavaleiros, o que ouvindo Sambalate, o horonita e Tobias, o amonita, lhe desagradou com grande desagrado que alguém viesse a procurar o bem dos filhos de Israel. E chegando a Jerusalém, esteve ali por três dias e de noite se levantou e saiu pela porta do vale e contemplou os muros de Jerusalém que estavam fendidos e suas portas haviam sido consumidas pelo fogo. Começaram a edificar os muros de Jerusalém e Sambalate e Tobias zombavam deles e desprezavam-nos. E Neemias passou à porta da fonte e ao viveiro do rei e não havia lugar por onde pudesse passar o animal em que estava montado. Então, de noite, subiu pelo ribeiro e contemplou o muro e entrando pela porta do vale, voltou.                

Eliasibe, o sumo sacerdote, com os seus irmãos edificaram as portas do gado, que consagraram. Os filhos de Senaa edificaram a porta do peixe, a qual enmadeiraram, colocando fechaduras e ferrolhos. E cada um, por sua vez, reparou todo o muro de Jerusalém e as edificações contidas em seu interior.               

Sucedeu que quando Sambalate ouviu que edificavam o muro, ardeu em ira, indignou-se muito e escarneceu dos judeus. Porém, continuavam a edificação do muro, o qual foi completo até a metade da sua altura; porque o coração do povo se inclinava a trabalhar.Mas, ouvindo Sambalate e Tobias, e os arábios, o amonitas e os asdoditas, que ia avante a reparação dos muros de Jerusalém e que já as brechas se começavam a fechar, iraram-se sobremodo e coligaram-se todos, para virem guerrear contra Jerusalém e fazer confusão ali. Os judeus oraram a Deus e puseram guarda contra eles de dia e de noite, dispondo segundo suas famílias com as suas espadas, lanças e arcos. Quando Sambalate e os demais souberam que os judeus haviam sido avisados e que havia sido dissipado o conselho deles, a obra foi retomada. Desde aquele dia metade dos moços trabalhavam na obra, e a outra metade empunhava as lanças, os escudos, os arcos e as couraças; e os chefes estavam por detrás de toda a casa de Judá. Os que estavam edificando o muro, e os carregadores que levavam as cargas, cada um com uma das mãos fazia a obra e com a outra segurava a sua arma; e cada um dos edificadores trazia a sua espada à cinta, e assim edificavam. E o que tocava a trombeta estava do lado de Neemias. Assim trabalhavam na obra; e metade deles empunhava as lanças desde a subida da alva até o sair das estrelas. Nesse tempo, Neemias disse ao povo que cada um com o seu moço pernoitasse em Jerusalém, para que de noite servissem de guardas e de dia trabalhassem.Quando Sambalate, Tobias, Gesém, o arábio, e o resto dos inimigos dos judeus souberam que já havia sido edificado o muro e que nele já não havia brecha alguma, ainda que até este tempo não tinha posto as portas nos portais, Sambalate e Gesem mandaram dizer para Neemias encontrá-los numa das aldeias da planície de Ono. 

Eles, porém, intentavam fazer-lhe mal. E Neemias enviou-lhes mensageiros para que dissessem que estavam fazendo uma grande obra, de modo que não poderia descer. Do mesmo modo mandaram dizer-lhe as mesmas palavras quatro vezes; e do mesmo modo Neemias lhes respondeu. Então Sambalate, ainda pela quinta vez enviou o seu moço com uma carta aberta na mão, na qual estava escrito: Entre as nações se ouviu, e Gesém o diz, que tu e os judeus intentais revoltar-vos, e por isso tu estás edificando o muro, e segundo se diz, queres fazer-te rei deles; e que constituíste profetas para proclamarem a respeito de ti em Jerusalém: Há rei em Judá. Ora, estas coisas chegarão aos ouvidos do rei; vem, pois, agora e consultemos juntamente. Então Neemias mandou dizer-lhe: De tudo o que dizes, coisa nenhuma sucedeu, mas tu mesmo o inventas. E dessa forma, todos eles procuravam atemorizá-los, dizendo: As suas mãos hão de largar a obra, e não se efetuará.Depois disto, Neemias foi à casa de Semaías, filho de Delaías, filho de Meetabel, que estava em recolhimento, o qual disse: Ajuntemo-nos na casa de Deus, dentro do templo, e fechemos as suas portas, pois virão matar-te; sim, de noite virão matar-te. E Neemias respondeu-lhe: Um homem como eu fugiria? e quem há que, sendo tal como eu, possa entrar no templo e viver? De maneira nenhuma entrarei

E percebeu que não era Deus que o enviara; mas ele pronunciou essa profecia contra ele, porquanto Tobias e Sambalate o haviam subornado para atemorizá-lo, a fim de que ele assim fizesse, e pecasse, para que tivessem de que infamá-lo.               

Acabou-se, pois, o muro aos vinte e cinco do mês de Elul, em cinqüenta e dois dias. Quando todos os que intentavam mal contra Neemias souberam disso, todos os povos que havia em redor deles temeram, e abateram-se muito em seu próprio conceito; pois perceberam que havia sido feito esta obra com o auxílio de Deus. Além disso, naqueles dias os nobres de Judá enviaram muitas cartas a Tobias, e as cartas de Tobias vinham para eles. Pois muitos em Judá estavam ligados a ele por juramento, por ser ele genro de Secanias, filho de Ará, e por haver seu filho Joanã casado com a filha de Mesulão, filho de Berequias.              

Depois que o muro foi edificado, tendo sido assentado as portas, e havendo sido designados os porteiros, os cantores e os levitas, Neemias colocou Hanani, seu irmão, e Hananias, maioral da fortaleza, sobre Jerusalém; pois ele era homem fiel e temente a Deus, mais do que muitos; e lhes disse: Não se abram as portas de Jerusalém até que o sol aqueça; e enquanto os guardas estiverem nos postos se fechem e se tranquem as portas. E foi posto guardas, cada um por seu turno, e cada um diante da sua casa. A cidade era larga e grande, mas o povo dentro dela era pouco, e ainda as casas não estavam edificadas.                

E Neemias achou o livro da genealogia dos que tinham subido primeiro e achou nele escrito os nomes daqueles que tornaram primeiro do cativeiro. Toda a congregação junta somava quarenta e dois mil, trezentos e sessenta; afora os seus servos e as suas servas, que foram sete mil trezentos e trinta e sete; e tinham duzentos e quarenta e cinco cantores e cantoras. Os seus cavalos foram setecentos e trinta e seis; os seus mulos, duzentos e quarenta e cinco; os seus camelos, quatrocentos e trinta e cinco; e os seus jumentos, seis mil setecentos e vinte. Alguns dos cabeças das casas paternas contribuíram para a obra. O governador deu para a tesouraria mil dracmas de ouro, cinqüenta bacias, e quinhentas e trinta vestes sacerdotais. E alguns dos cabeças das casas paternas deram para a tesouraria da obra vinte mil dracmas  de ouro, e dois mil e duzentos arratéis de prata. Os sacerdotes, os levitas, os porteiros, os cantores, alguns dentre o povo, os netineus e todo o Israel habitaram nas suas cidades. Quando chegou o sétimo mês, já se achavam os filhos de Israel nas suas cidades.Todo o povo se ajuntou como um só homem, na praça diante da porta das águas; e disseram a Esdras, o escriba, que trouxesse o livro da lei de Moisés, que o Senhor tinha ordenado a Israel. E Esdras, o sacerdote, trouxe a lei perante a congregação, tanto de homens como de mulheres, e de todos os que podiam ouvir com entendimento, no primeiro dia do sétimo mês. E leu nela diante da praça, fronteira à porta das águas, desde a alva até o meio-dia, na presença dos homens e das mulheres, e dos que podiam entender; e os ouvidos de todo o povo estavam atentos ao livro da lei. 

Esdras, o escriba, ficava em pé sobre um estrado de madeira, que fizeram para esse fim e estavam em pé junto a ele, à sua direita, Matitias, Sema, Anaías, Urias, Hilquias e Maaséias; e à sua esquerda, Pedaías, Misael, Maequias, Hasum, Hasbadana, Zacarias e Mesulão.Esdras abriu o livro à vista de todo o povo, pois estava acima de todos eles; e, abrindo-o, todo o povo se pôs em pé. Então Esdras louvou ao Senhor, o grande Deus; e todo povo, levantando as mãos, respondeu: Amém! amém! E, inclinando-se, adoraram ao Senhor, com os rostos em terra. Também Jesua, Bani, Serebias, Jamim, Acube, Sabetai, Hodias, Maaséias, Quelita, Azarias, Jozabade, Hanã, Pelaías e os levitas explicavam ao povo a lei; e o povo estava em pé no seu lugar. Assim leram no livro, na lei de Deus, distintamente e deram o sentido, de modo que se entendesse a leitura.Vendo que o povo chorava, ao ouvirem as palavras da lei, Neemias, Esdras e os levitas que ensinavam o povo, disseram a todos: Este dia é consagrado ao Senhor vosso Deus; não pranteeis nem choreis. Ide, comei as gorduras, e bebei as doçuras, e enviai porções aos que não têm nada preparado para si; porque este dia é consagrado ao nosso Senhor. Portanto não vos entristeçais, pois a alegria do Senhor é a vossa força. Então todo o povo se foi para comer e beber, e para enviar porções, e para fazer grande regozijo, porque tinha entendido as palavras que lhe foram referidas.No dia seguinte ajuntaram-se os cabeças das casas paternas de todo o povo, os sacerdotes e os levitas, na presença de Esdras, o escriba, para examinarem as palavras da lei; e acharam escrito na lei que o Senhor, por intermédio de Moisés, ordenara que os filhos de Israel habitassem em cabanas durante a festa do sétimo mês; e que publicassem e fizessem passar pregão por todas as suas cidades, e em ramos de oliveiras, de zambujeiros e de murtas, folhas de palmeiras, e ramos de outras árvores frondosas, para fazer cabanas, como está escrito. Saiu, pois, o povo e trouxe os ramos; e todos fizeram para si cabanas, cada um no eirado da sua casa, nos seus pátios, nos átrios da casa de Deus, na praça da porta das águas, e na praça da porta de Efraim. E toda a comunidade, dos que tinham voltado do cativeiro, fez cabanas e habitaram nelas; pois não tinham feito assim os filhos de Israel desde os dias de Josué, filho de Num, até aquele dia. E houve um grande regozijo.E Esdras leu no livro da lei de Deus todos os dias, desde o primeiro até o último; e celebraram a festa por sete dias, e no oitavo dia houve uma assembléia solene, segundo a ordenança.              

No dia vinte e quatro desse mês, se ajuntaram os filhos de Israel em jejum, vestidos de sacos e com terra sobre as cabeças. E os da linhagem de Israel se apartaram de todos os estrangeiros, puseram-se em pé e confessaram os seus pecados e as iniquidades de seus pais. E, levantando-se no seu lugar, leram no livro da lei do Senhor seu Deus, uma quarta parte do dia; e a outra quarta parte fizeram confissão, e adoraram ao Senhor seu Deus.             

E o resto do povo, os sacerdotes, os porteiros, os cantores, os netineus, e todos os que se tinham separado dos povos de outras terras para seguir a lei de Deus, suas mulheres, seus filhos e suas filhas, todos os que tinham conhecimento e entendimento, aderiram a seus irmãos, os seus nobres, e convieram num juramento sob pena de maldição de que andariam na lei de Deus, dada por intermédio de Moisés, servo de Deus, e de que guardariam e cumpririam todos os mandamentos do Senhor, nosso Senhor, e os seus juízos e os seus estatutos.              

Os príncipes do povo habitaram em Jerusalém; e o restante do povo lançou sortes, para atirar um de cada dez que habitasse na santa cidade de Jerusalém, ficando nove nas outras cidades. E o povo bendisse todos os homens que voluntariamente se ofereceram para habitar em Jerusalém.O resto de Israel e dos sacerdotes e levitas, habitou em todas as cidades de Judá, cada um na sua herança. Esses viveram nos dias de Joiaquim, filho de Jesuá, filho de Jozadaque, como também nos dias de Neemias, o governador, e do sacerdote Esdras, o escriba. Na dedicação dos muros de Jerusalém buscaram os levitas de todos os lugares, para os trazerem a Jerusalém, a fim de celebrarem a dedicação com alegria e com ações de graças, e com canto, címbalos, alaúdes e harpas. Ajuntaram-se os filhos dos cantores, tanto da campina dos arredores de Jerusalém, como das aldeias de Nefotati; como também de Gilgal, e dos campos de Gebeá e Azmavete; pois os cantores tinham edificado para si aldeias ao redor de Jerusalém. E os sacerdotes e os levitas se purificaram, e purificaram o povo, as portas e o muro. Então subiram os príncipes de Judá sobre o muro, e foram constituídas duas grandes companhias para darem graças e andarem em procissão, uma das quais foi para a direita sobre o muro, em direção à porta do monturo; À entrada da porta da fonte subiram diretamente as escadas da cidade de Davi onde começava a subida do muro, acima da casa de Davi, até a porta das águas a leste. A outra companhia dos que davam graças foi para a esquerda, seguindo-os Neemias com a metade do povo, sobre o muro, passando pela torre dos fornos até a muralha larga, e seguindo por cima da porta de Efraim, e da porta velha, e da porta dos peixes, e pela torre de Hananeel, e a torre de Meá até a porta do gado; e pararam à porta da guarda. Assim as duas companhias dos que davam graças pararam na casa de Deus, como também Esdras e a metade dos magistrados que estavam com Neemias; e os sacerdotes iam com trombetas e os cantores cantavam. Naquele dia ofereceram grandes sacrifícios, e se alegraram, pois Deus lhes dera motivo de grande alegria; também as mulheres e as crianças se alegraram, de modo que o júbilo de Jerusalém se fez ouvir longe. No mesmo dia foram nomeados homens sobre as câmaras do tesouro para as ofertas alçadas, as primícias e os dízimos, para nelas recolherem, dos campos, das cidades, os quinhões designados pela lei para os sacerdotes e para os levitas; pois Judá se alegrava por estarem os sacerdotes e os levitas no seu posto, observando os preceitos do seu Deus, e os da purificação, como também o fizeram os cantores e porteiros, conforme a ordem de Davi e de seu filho Salomão.Desde a antigüidade, já nos dias de Davi e de Asafe, havia um chefe dos cantores, e havia cânticos de louvor e de ação de graça a Deus. Pelo que todo o Israel, nos dias de Zorobabel e nos dias de Neemias, dava aos cantores e aos porteiros as suas porções destinadas aos levitas, e os levitas separavam as porções destinadas aos filhos de Aarão.Naquele dia leu-se o livro de Moisés, na presença do povo, e achou-se escrito nele que os amonitas e os moabitas não entrassem jamais nas assembléias de Deus; porquanto não tinham saído ao encontro dos filhos de Israel com pão e água, mas contra eles assalariaram Balaão para os amaldiçoar; contudo o nosso Deus converteu a maldição em bênção. Ouvindo eles esta lei, apartaram de Israel toda a multidão mista. Ora, antes disto Eliasibe, sacerdote, encarregado das câmaras da casa de nosso Deus, se aparentara com Tobias, e lhe fizera uma câmara grande, onde dantes se recolhiam as ofertas de cereais, o incenso, os utensílios, os dízimos dos cereais, do mosto e do azeite, que eram dados por ordenança aos levitas, aos cantores e aos porteiros, como também as ofertas alçadas para os sacerdotes. 

Mas durante todo este tempo não estava Neemias em Jerusalém, porque no ano trinta e dois de Artaxerxes, rei da Babilônia, foi Neemias ter com o rei; mas a cabo de alguns dias pediu licença a ele e veio a Jerusalém; e soube do mal que Eliasibe fizera em servir a Tobias, preparando-lhe uma câmara nos átrios da casa de Deus. Isso muito o desagradou; por isso que lançou todos os móveis da casa de Tobias fora da câmara. Então, à sua ordem, purificaram as câmaras; e tornou a trazer para ali os utensílios da casa de Deus, juntamente com as ofertas de cereais e o incenso. Também soube que os quinhões dos levitas não se lhes davam, de maneira que os levitas e os cantores, que faziam o serviço, tinham fugido cada um para o seu campo.  Então contendeu com os magistrados e disse:Por que se abandonou a casa de Deus? E ajuntou os levitas e os cantores e os restaurou no seu posto. Então todos os habitantes de Judá trouxeram para os celeiros os dízimos dos cereais, do mosto e do azeite. E por tesoureiros pôs sobre os celeiros Selemias, o sacerdote, e Zadoque, o escrivão, e Pedaías, dentre os levitas, e como ajudante deles Hanã, filho de Zacur, filho de Matanias, porque foram achados fiéis; e os encarregou de fazerem a distribuição entre seus irmãos.Naqueles dias Neemias viu em Judá homens que pisavam lugares no sábado, e traziam molhos, que carregavam sobre jumentos vinho, uvas e figos, e toda sorte de cargas, que eles traziam a Jerusalém no dia de sábado; e protestou contra eles quanto ao dia em que estavam vendendo mantimentos. E em Jerusalém habitavam homens de Tiro, os quais traziam peixes e toda sorte de mercadorias, que vendiam no sábado aos filhos de Judá, e em Jerusalém. Então Neemias contendeu com os nobres de Judá, e lhes disse: Que mal é este que fazeis, profanando o dia de sábado? Porventura não fizeram vossos pais assim, e não trouxe nosso Deus todo este mal sobre nós e sobre esta cidade? Contudo vós ainda aumentais a ira sobre Israel, profanando o sábado.

E sucedeu que, ao começar a fazer-se escuro nas portas de Jerusalém, antes do sábado, Neemias ordenou que elas fossem fechadas, e mandou que não as abrissem até passar o sábado e pôs às portas alguns de seus moços, para que nenhuma carga entrasse no dia de sábado. Então os negociantes e os vendedores de toda sorte de mercadorias passaram a noite fora de Jerusalém, uma ou duas vezes. Protestou, pois, contra eles, dizendo-lhes: Por que passais a noite defronte do muro? Se outra vez o fizerdes, hei de lançar mão em vós.Daquele tempo em diante não vieram no sábado. Também ordenou aos levitas que se purificassem, e viessem guardar as portas, para santificar o sábado. Viu também naqueles dias judeus que tinham casado com mulheres asdoditas, amonitas e moabitas; e seus filhos falavam meio asdodita, e não podiam falar o judaico, senão segundo a língua de cada povo. Contendeu com eles, e os amaldiçoou; espancando alguns deles e, arrancando-lhes os cabelos e os fez jurar por Deus, dizendo-lhes: Não darei vossas filhas a seus filhos, e não tomareis suas filhas para vossos filhos, nem para vós mesmos. Não pecou nisso Salomão, rei de Israel? Entre muitas nações não havia rei semelhante a ele, e ele era amado de seu Deus, e Deus o constituiu rei sobre todo o Israel. E, contudo, as mulheres estrangeiras o fizeram pecar. E dar-vos-íamos nós ouvidos, para fazermos todo este grande mal, esta infidelidade contra o nosso Deus, casando com mulheres estrangeiras?. Também um dos filhos de Joiada, filho do sumo sacerdote Eliasibe, era genro de Sambalate, o horonita. E Neemias o afugentou de si. Assim os purificou de tudo que era estrangeiro e determinou os cargos para os sacerdotes e para os levitas, cada um na sua função. 
  
Atualizado em ( 21-Feb-2010 )
 

Publicações