Foto da noticia

A Proporção de Deus

31 de Julho de 2016


Escrito por Valdenir Alves Ferreira   
05-Aug-2015
sadoutrina.org - Biblioteca Digital - Trabalhos
 -  vferreiracps@gmail.com

A ideia inicial desse singelo trabalho me veio a mente quando eu analisava se era possível ou não, quantificar pela Palavra da Bíblia Sagrada o número dos escolhidos para a salvação de Deus através de Jesus.
Existe uma proporção matemática que assegure o número dos salvos???
No início do mundo Deus mantinha uma relação estreita e única com o povo de Israel. Se os fatos se resumissem a essa relação, poderíamos aceitar a definição de que os salvos seriam apenas os israelitas segundo a carne, mas vemos que isso não é uma verdade absoluta.
Conforme Paulo escreveu em 11 aos Romanos sobre O Futuro de Israel, Deus não rejeitou os seus escolhidos segundo a carne, mas abriu a salvação aos gentios para que todos pudessem ter as mesmas oportunidades.
Quando Deus enviou seu Filho Jesus Cristo ao mundo, inicialmente era resgatar Israel, ou seja, resgatar uma proporção escolhida e pré-determinada. Isso pode ser confirmado em Mateus 10:5 e 6. Os apóstolos estavam proibidos de se dirigirem aos gentios e aos samaritanos.
 
Ao final do Ministério de Salvação de Jesus, vemos que Ele foi rejeitado pelos próprios judeus e então, após a ressurreição Ele ordena em Mateus 28:19 que os Apóstolos fossem, pregassem e batizassem todas as nações.
Em Jesus, Deus não rejeitou Israel, mas abriu a possibilidade que todos os homens, de todas as nacionalidades, de todas raças pudessem servi-LO e recebessem as suas benesses.
Em Jesus, Deus atingiu o todo. Em Jesus, Deus passou a ter uma relação espiritual com os homens. Não é mais segundo a carne.
O texto de Filipenses 2:3-11 retrata Jesus como um Cordeiro Sacrificial com todas as suas infinitas virtudes e nos impele em sermos os seus imitadores praticando atos de humildade e reverências a Ele e ao próximo:
2.3   Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo.
2.4   Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros.
2.5   De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,
2.6   que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus.
2.7   Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;
2.8   e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz.
2.9   Pelo que também Deus o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo o nome,
2.10   para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra,
2.11   e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.
Até aqui, fizemos uma pequena análise desde a relação de Deus com Israel e chegamos até ao tempo de Jesus, mas o assunto sobre a proporcionalidade continua. Vamos analisar mais alguns exemplos:
1-Em Mateus 13:1-23 temos a Parábola do Semeador e nela Jesus apresenta que um homem agricultor em sua semeadura lançou ao solo 4 partes de sua semente.
A primeira caiu ao pé do caminho e foi comida pelas aves. A segunda caiu em pedregais e foi queimada pelo sol. A terceira caiu entre espinhos e foi sufocada. A quarta caiu em boa terra e produziu muito.
Aqui há uma proporção definida. A quarta parte foi produtiva. 25% daquela semeadura resultou em boa colheita, mas como veremos adiante, em outros exemplos, essa proporção varia.
2-Na Vinda de Jesus em Mateus 24:40-41, estando 2 num campo ou no moinho, será levado um e deixado outro.
Aqui a proporção variou, pois quando em 2 se aproveita somente 1, o aproveitamento é de metade, ou seja, 50%.
3-No caso das Sete Igrejas da Ásia Menor, nos capítulos 1, 2 e 3 de Apocalipse, somente 2 Igrejas eram completas (Esmirna e Filadelfia). As demais possuíam boas qualidades, mas tinham várias deficiências à serem corrigidas.
Um cálculo matemático aqui mostrará resultado bem diferente dos exemplos citados anteriormente.
4-No caso dos 12 Apóstolos de Jesus (Mateus 10 e outras referências), vemos que 1 deles (Judas Iscariotes) perdeu a sua salvação por atentar em vantagens materiais.
Novamente aqui, se aplicarmos a proporção matemática teremos uma variação ainda maior no resultado.
Pude concluir que não existe uma proporção matemática definida que indique o números dos salvos por Deus em Jesus. A salvação é uma benção dada aos convertidos em Jesus e a partir dessa concessão divina, está na opção dos homens aceitar e manter a condição de salvos.
Jesus interage na conversão, como no caso do Apóstolo Paulo, quando caíram as escamas de seus olhos que o impediam de conhecer a verdade.
Mas depois que a conversão já existiu, Jesus não interfere mantendo alguém forçadamente na Sua Igreja. Ele ajuda e esclarece através do Espírito Santo, mas a permanência de cada um de nós está em nossa própria opção.
Apocalipse 3:20- Eis que estou a porta e bato, se abrires, entrarei e cearei contigo.
Se por ventura não abrirmos o nosso coração, Jesus ficará do lado de fora. Ele não se dispôs a nos forçar, apenas espera ver em nós uma postura de aceitação à Sua Palavra.
Mateus 11:12- o reino dos céus é tomado por esforço, e os que se esforçam se apoderam dele”.
Arrepender, converter e seguir dia após dia. Esse é o nosso papel fundamental na Igreja de Jesus. Mateus 10:22- Aquele que seguir até o fim será salvo.
Não posso afirmar que seja fácil, mas devemos ser perseverantes. I Pedro, 4:18 testifica que o justo se salva com dificuldades, logo como será o fim do pecador?
Deus em Jesus nos convida para sermos escolhidos e disso não podemos ter dúvidas:
I Pedro 2.9- Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz;
Conclusão:
1-A quantidade dos salvos não pode ser definida por equações matemáticas, pois o texto da Bíblia Sagrada traz variações nesse sentido.
2-A salvação acontece quando o homem converte estando ainda em vida material. Basta vermos o caso de Zaqueu, o publicano em Lucas 19:9 a quem Jesus disse: Hoje veio a salvação a esta casa, pois também este é filho de Abraão.
3-Aqueles que foram salvos na conversão precisam permanecer salvos durante toda a sua vida aqui no mundo material, pois como já mencionado acima Jesus diz em Mateus 10:22- Aquele que seguir até o fim será salvo.
Permanecer salvo é andar em comunhão com Deus e Jesus através do Espírito Santo, obedecendo as instruções bíblicas.
4-Quando um homem se converte ele faz automaticamente uma confissão e uma renúncia aos pecados dantes cometidos e vai ao batismo. Ele próprio precisa ter a certeza da sua decisão.
Alcançando esse estágio, o ministro que vai batizá-lo não precisa que uma terceira pessoa confirme aquela conversão e aquele batismo. Não existe ensino nem exemplo dessa prática na Bíblia Sagrada.
Evidente que o ministro que batiza precisa ter certeza daquela conversão, I Timóteo 5:22- A ninguém imponhas precipitadamente as mãos, nem participes dos pecados alheios; conserva-te a ti mesmo puro.Mas essa certeza vem da própria manifestação do batizando.
5-A salvação e a perdição espiritual são apenas a continuidade da vida que levamos aqui no mundo material:
Aqueles que permanecerem na luz durante a vida material vão continuar na luz na vida espiritual. A luz é o próprio Jesus, pois Ele disse em João 8:12- Eu sou a luz do mundo.
Aqueles que viverem em trevas aqui no mundo material, na vida futura vão continuar nas trevas.
6-Aquela expressão famosa corrente entre os homens: aquele que está no braço de Deus ninguém o tira, e aquele que não está, ninguém o coloca não existe na Bíblia Sagrada.
Precisamos ter o cuidado em não atribuir à Deus expressões e sentenças que não constam no texto bíblico. A salvação está disponível para todos que a buscarem.
Encerrando essa pequena tese acredito e espero que a mesma contribua no fortalecimento da fé e no conhecimento da verdade do Evangelho de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
A Paz de Deus esteja com todos, agora e sempre, amém.
Valdenir Alves Ferreira

Idealizado em 13/06/2015
Redigido em 19/07/2015
Publicado em 05/08/2015

Atualizado em ( 11-Jul-2016 )
 

Publicações