Diga-me com quem andas ...

31 de Julho de 2016


Escrito por PAPE_JSD - Entrevista com Roseli da Silva Lopes   
07-Oct-2008

O PAPE INFORMA Boletim Informativo das Atividades do Programa PAPE_JSD – nº. 10 - Março de 2007. 
Mensagem da Coordenação
Por José Fatuch Jr.
 
   Em nossa última edição tratamos da importância do planejamento como ferramenta para consecução de nosso objetivos.

   Também discorremos sobre a necessidade de se preparar um plano com metas realistas, baseado na licitude e na ética, com a sua disposição para a realização de esforços pessoais e, principalmente,  depositado nas mãos do Senhor (S.Tiago, cap.4).

   Hoje falaremos um pouco sobre objetivos e metas, qual a diferença entre esses dois termos e porque devem ser exeqüíveis, isto é, executáveis.

   Objetivos, nesse caso, são os lugares, estágios, situações e benefícios, entre outros propósitos, que nós desejamos ver atingidos após a elaboração e a aplicação de um plano.

   Esses anseios devem ser de realização possível, para que você não desista no meio do caminho, mas não tão fáceis de concretizar para que você não se sinta desestimulado ou deixe de empregar o que há de melhor em si.

   As metas são semelhantes aos objetivos em suas definições, mas o termo é mais utilizado em relação a números, valores ou marcas.

   Vamos a um exemplo?
   Suponhamos que você pretenda elaborar um plano para a sua carreira escolar ao longo de 2007 e um de seus  objetivos é passar direto em todas as matérias. Esse é um propósito viável, não tão fácil e que vai lhe exigir algum esforço pessoal. Em suma, um bom objetivo.

   Nesse caso, a sua meta deverá ser conquistar, em cada uma das disciplinas, no mínimo a nota  7, ou a  exigida pela Escola para que você fique livre dos exames.

   Agora que você já está preparada(o) para elaborar um plano para a sua carreira escolar e/ou profissional, que tal selecionar alguns objetivos para compor o planejamento? No número anterior do Jornal do PAPE repassamos algumas dicas para isso. Não se esqueça das metas.
   Até a próxima, se DEUS quiser.
 
 DICAS PARA SEU CURRÍCULO:  (Cia. de Talentos - RH)
 
        -  Procure demonstrar as suas qualidades de forma sucinta, mas com clareza, deixando claro em qual área pretende atuar. 
- No item “formação” é importante registrar o que fez, onde e quando. Informe o semestre que está cursando e/ou o ano de conclusão de cada curso.              
       
- Algumas companhias fazem questão de saber em que colégio o candidato à vaga de estagiário ou trainee estudou no segundo grau. Não custa gastar uma linha com essa informação. 

- Limite-se a relacionar os cursos de extensão que têm afinidade com a área de seu interesse. Esqueça o workshop de culinária que participou nas últimas férias se o seu foco é finanças. 

- Em 2001, quando se comemorou o Ano Internacional do Voluntário, era "in" incluir atividades sociais no currículo. A moda passou e esse tipo de participação já não acrescenta muito em termos curriculares. De qualquer forma, a atividade denota mobilidade e maturidade, merecendo ao menos um breve registro. 

- Não perca tempo elaborando uma carta de apresentação para anexar ao currículo. Se você for preencher formulário eletrônico, aliás, você nem terá espaço para tanto. O máximo permitido são duas ou três linhas sobre a sua área de interesse no campo da mensagem.
 
- A triagem dos recrutadores também é feita eletronicamente. Não adianta, portanto, enviar seu currículo para “ficar arquivado” na empresa se você não atende aos pré-requisitos da vaga. No primeiro rastreamento, o documento vai para o espaço. 

- Se você não fala inglês fluentemente, não coloque.
 
 A ORIGEM DO DIA INTERNACIONAL DA MULHER
 
A versão mais comum para explicar a comemoração do Dia Internacional da Mulher em 08 de março é que nessa data, no ano de 1857, as operárias têxteis de uma fábrica de Nova York entraram em greve para reivindicarem a redução de um horário de trabalho de mais de 16 horas por dia para 10 horas. Estas operárias, que recebiam menos de um terço do salário dos homens, foram fechadas na fábrica e um incêndio tomou conta do local e cerca de 130 mulheres morreram queimadas.

Em 1910, numa conferência internacional feminina realizada na Dinamarca, foi decidido, em homenagem àquelas mulheres, comemorar essa data como "Dia Internacional da Mulher".

No mês de março, o PAPE contou com a participação de algumas mulheres que são, ao mesmo tempo, profissionais, donas de casa, mães e esposas. Recebemos, para um bate-papo, as administradoras de empresas Eliana, Vanda e Vera, que nos falaram um pouco sobre suas carreiras, o curso de administração e sua aplicação na atividade de cada uma.
 
 ESPAÇO PROFISSÃO
Por Sidney Mendes
 
DIGA-ME COM QUEM ANDAS...
 
Essa vai para os pais. Existe um provérbio latino bem antigo que diz o seguinte: “Bendito é aquele que consegue dar ao seu filho asas e raízes”.

O significado disso é bem claro. Os pais deveriam criar seus filhos de uma maneira que os mesmos tenham uma postura  profissional cujo objetivo seja o de  criar asas e se tornarem independentes, realizando sonhos e tendo um futuro brilhante. Porém, essa independência não pode de maneira nenhuma exterminar as raízes dos valores e de nossa cultura cristã, raízes essas que embasarão adequadamente o progresso de seus filhos rumo a vida eterna.

Como agir então?  Se você  retiver demais o seu filho, ele poderá não alcançar uma independência adequada, porém se soltá-lo em demasia, ele poderá se perder nesse mundo pecaminoso.  É uma situação bem difícil e delicada, ainda mais quando o jovem, na sua adolescência  e início da fase adulta, encontra–se numa fase complicada de decisões quanto ao futuro, e o pior é que essa fase coincide com a imaturidade que caracteriza essa faixa etária. 

Aliás, maturidade ou imaturidade, são as palavras chaves para entendermos essa fase difícil. 

Embora tenhamos muitos jovens com uma certa maturidade, a verdade é que muitas vezes a maturidade só vem com a idade e experiência. Uma pessoa imatura faz muitas coisas que uma pessoa madura jamais faria. Quer um exemplo? Alguém já viu uma pessoa de 35 anos pichando um muro ou roubando mangas do  vizinho?  O principal desafio dos pais é fazer com que seus filhos atravessem essa fase sem cometerem nenhum ato que possa lhes causar prejuízo pelo resto de suas vidas, pois muitas vezes os grandes erros da juventude são cometidos por falta de maturidade.

Para entendermos essa questão, cabe esclarecer um ponto. O ser humano, na sua essência, funciona como uma máquina de copiar. Em tese, copiamos ou imitamos tudo o que vemos ao nosso redor. Assim floresceram as grandes civilizações da humanidade. Uma boa idéia ali, outra aqui, todos imitam e a aprimoram de alguma maneira,  e o ser humano como  ser  social que  não vive isolado, transforma essa tendência natural em cultura e civilização.

As crianças aprendem imitando e com o jovem isso também não é diferente. Ao analisarmos o fator “imitação” isoladamente na vida de um jovem, observamos que a família, os amigos,  namorado(a), a igreja e os parentes, representam peças importantíssimas na formação do jovem, principalmente os amigos e namorado(a).  Daí a máxima da filosofia grega que diz: “Diga-me com quem  andas e te direi quem és”.  Se alguém faz parte de um grupo de amigos cuja tendência é a realização de atividades  não produtivas, esse alguém irá com certeza participar também dessas atividades.

Ou se alguém participa de um grupo de amigos que têm como objetivos o estudo, o crescimento, o aprimoramento profissional e a religião, esse alguém fatalmente estará envolvido com essas atividades.

 Imagine um grupo de jovens amigos, aí um resolve fazer faculdade, o outro vai e se anima a fazer também.  O outro arruma um bom emprego, aí todos também querem ter um bom emprego. Um decide tirar carta de motorista e resolve comprar um carro, e aí todos os outros também procuram seguir o exemplo. Uma moça arranja um excelente namorado e aí as amigas também querem seguir o exemplo, e por aí vai...   Eu poderia citar inúmeros exemplos de como isso acontece. É uma coisa sadia, que envolvem nossos jovens em atitudes positivas e  de crescimento.

Mas o principal disso tudo é o fato de que essa busca pelo crescimento os mantêm afastados das coisas destrutivas e pecaminosas do mundo e, juntamente com o convívio dos membros da Sã Doutrina, há o respeito pela palavra de Deus e uma conduta baseada nos ensinamentos bíblicos.
  
ESPAÇO EDUCAÇÃO
Por José Carlos Edwiges
 
LÍNGUA ESTRANGEIRA: NECESSIDADE E OPORTUNIDADE
 
 Todo início de ano é sempre a mesma coisa, planos e mais planos, promessas de mudanças e assim vai. Mas principalmente a falta de tempo faz com que deixamos para trás muitos dos nossos projetos. Os recursos financeiros também são obstáculos em muitos casos.

Mas não podemos esquecer que o mercado está cada vez mais competitivo e conquistar uma posição de destaque numa boa empresa vai muito além de força de vontade. Hoje o profissional precisa aprimorar seus conhecimentos, reciclar seu currículo, ter uma visão estratégica do mundo corporativo. Lembram da nossa primeira reunião e da famosa pergunta: “Quem já terminou os estudos?” Nossa formação é constante, não podemos parar, senão quem está vindo atrás nos “atropela”.

Hoje vamos falar um pouco sobre a necessidade de falar uma segunda língua, pois alguns pré-requisitos que antes faziam a diferença no momento de contratar um profissional, hoje chegou ao ponto de ser primordial para participar de um simples processo seletivo. Ou seja, se você não tiver algumas qualificações não pode nem tentar.

Possuir fluência de um segundo idioma transformou-se em questão de sobrevivência, a diferença entre conseguir emprego ou não.
O inglês é hoje um idioma muito requisitado, certamente é a língua estrangeira mais falada no Brasil, vejamos pelas propagandas comerciais e a divulgação de escolas e métodos de aprendizagem desta língua, por toda forma de mídia.

Entretanto, o espanhol se firma como a primeira opção após o inglês. A língua espanhola é a segunda mais utilizada nas relações internacionais e é também a segunda língua estrangeira mais estudada no mundo. Falada por mais de 300 milhões de pessoas, o espanhol é a língua oficial em 21 países. E tem se firmado como o terceiro idioma de muitos brasileiros.

A intensificação das relações com o Mercosul tem levado muitos para os cursos de espanhol. A Argentina é o maior parceiro comercial do Brasil no continente. Assim, empresas exportadoras estão em contato direto com clientes falantes de espanhol. Chile, México e Espanha são outros exemplos de países fora do Mercosul que também possuem estreitas relações comerciais com o Brasil.
Devido à semelhança com a língua portuguesa, o espanhol se firma como a primeira opção após o inglês. Existem especialistas que dizem que o inglês hoje em dia nada mais é que obrigação, o diferencial hoje é falar um terceiro idioma.

Até existe previsão que a partir de 2010 as escolas brasileiras deverão oferecer como opção ao aluno do ensino médio o ensino da língua espanhola, porque seu estudo contribui com a formação integral do aluno, fomentando seu desenvolvimento cultural e promovendo o reconhecimento e o respeito as diferenças.

Trazendo o contexto para nossa realidade local, temos visto notícias sobre a expansão do Aeroporto Internacional de Viracopos, que está muito próximo de nós, geograficamente. Dá até pra dizer que o aeroporto está no nosso quintal.

É claro que a efetivação dos projetos para a ampliação do Aeroporto passa por muitas etapas, políticas, econômicas, ambientais, etc., mas a realidade dos aeroportos de São Paulo fazem com que Campinas entre nesta briga de forma muito marcante, ou seja, é questão de tempo para nosso aeroporto de tornar uma grande potência que trará junto a implantação de muitas empresas de ramos variados para se instalar no entorno e grande parte delas trabalhará atendendo o mercado nacional, bem como com importação e exportação. É ai que você pode entrar.

Não deixe o aeroporto ampliar e trazer todos os seus benefícios perto de nós para depois correr atrás de alguma coisa. Se prepare agora, para crescer junto com ele. É isso.
  
ENTREVISTA DO MÊS
 
Nesta edição entrevistamos nossa irmã Roseli da Silva Lopes, casada com Benjamin Vieira Lopes. Ele trabalha há anos na empresa Chapéus Vicente Cury, sendo hoje Gerente de Produção, além de ser um de nossos dirigentes na Congregação do Jardim São Cristóvão. Seus filhos são a Giovana Cesar Lopes, com 11 anos e o Pedro Cesar Lopes, com 6 anos. Eis as perguntas que o PAPE formulou para a ROSELI.
 
PAPE: Você concluiu mais um curso recentemente. Pode falar um pouco sobre ele?
ROSELI: Conclui em 2005 o Curso Superior de Gestão de Recursos Humanos.  Fazer este curso foi a realização de um sonho: aos 33 anos, casada e com dois filhos, realizei um sonho da juventude: concluir a Faculdade.  Mas estudar, além de uma exigência de qualificação profissional, representou muito mais na minha vida.

O curso de Gestão de RH me mostrou uma visão única: a de que o principal bem de uma instituição não está nos seus  materiais e prédios, está nas pessoas. No capital humano. Tire todos funcionários de uma organização e leve para outro local: lá estará a empresa. Fica apenas um prédio vazio.   Esta percepção é aguçada o tempo todo no curso de RH, por isso ele foi tão importante na minha vida. 

Pois foi de encontro às nossas concepções religiosas de valorização do ser humano e de suas diferenças. Mas realizar este sonho teria sido impossível sem o apoio de meu esposo, companheiro fiel que como um guerreiro supriu minha ausência e foi o cuidador de nossos filhos nas noites em que estive ausente da família.   Sem eles nada teria importância, pois quando sonhamos sozinhos, tudo não passa de um sonho, mas quando sonhamos junto com alguém, é a realidade que começa a se concretizar.
 
P: E antes disso, onde mais estudou?
R: Fiz o segundo grau e o curso técnico de Administração de Empresas na década de noventa na Fundação Bradesco e iniciei o Curso superior de Administração de Empresas, interrompido no segundo ano devido a sérias dificuldades financeiras.  Foi um momento muito difícil. Não havia sistema de bolsas e nenhum tipo de auxílio financeiro. Não foi possível dar continuidade aos estudos naquele momento. Guardei o sonho, coloquei minhas esperanças em Deus, acreditando que um dia, quem sabe, o realizaria.
 
P: Está satisfeita no estágio atual ou pretende continuar os estudos ?
R: Estou feliz com o que consegui realizar, mas gostaria sim de continuar meus estudos, fazendo uma pós-graduação na área de Gestão de Pessoas. Quem sabe mais para frente, pois temos sempre que ter esperança e vontade, colocando o Senhor nas nossas decisões.
 
P: Onde você trabalha atualmente e em qual cargo vem atuando?
R: Trabalho no Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas – IEL/UNICAMP – desde 1997, mas entrei na Universidade na minha adolescência, aos 15 anos, em 1987, atuando então durante 10 anos no Instituto de Química.  Sempre digo que cresci na UNICAMP: nela ingressei como mensageira (office boy), fui auxiliar administrativa, técnica em administração e hoje Profissional de Administração. 

Fui Secretária da Diretoria do IEL/UNICAMP de 1997 até janeiro deste ano, quando fui convidada pela Direção da Unidade a assumir o posto de Diretora da Área Administrativa, Financeira e Operacional do Instituto.  Foi muito gratificante, pois este momento de minha vida resulta de muito esforço e mostra que nunca é tarde para estudar. Jamais poderia chegar neste posto de trabalho sem o curso superior. Além disso este posto historicamente, no meu trabalho, foi ocupado por homens. É uma vitória sem dúvida e um desafio que se apresenta em meu caminho.
 
P: Para alguém que pretende ingressar no mercado de trabalho, principalmente no setor público, você tem alguma orientação ? E para as mulheres, algum recado em especial?
R: Minha dica para os jovens que estão ingressando no mercado de trabalho  é a seguinte: Estudem, estudem e estudem mais ainda. Nunca será perdido, podem ter certeza disso. Outra dica que vai especialmente para nós, mulheres, é a seguinte: Cabe a cada uma de nós fazer a diferença, ser empreendedoras,  valorizar a auto-estima e a qualidade de vida,  ter força de vontade e acreditar no que somos e no que fazemos.  Potencialidades precisam de oportunidades e nós criamos estas oportunidades. 
 
P: Sabemos de sua grande dedicação à vida religiosa. De que atividades já participou ou vem participando?
R: Na vida religiosa, participo da comunidade do S. Cristóvão desde 1987, quando ingressei nas reuniões de jovens e de moças.  Fui então Secretária, colaboradora e presidente da Reunião da Moças. Participo há alguns anos da Diretoria Coletiva da Reunião das Moças, pois acho que todas nós,  mulheres, temos que contribuir e apoiar nossas dirigentes, para que a reunião seja fortalecida com a nossa união. Sou Secretária do Ministério do Jardim São Cristóvão pelo mesmo motivo: temos que apoiar nossa apascentação e dar nossa parcela de contribuição no que for do nosso alcance. 
 
P: E para conjugar todos esses compromissos (religião, família, estudo e o trabalho fora), muitos desafios?
R: Muitos desafios foram e continuam sendo enfrentados para conciliar tantos compromissos. Mas vale a pena: pois temos uma vida mais plena e rica. É muito bom ter um trabalho, mas melhor ainda é ter para onde voltar no final da tarde – no seio da nossa família,  ter um Deus para buscar nas nossas noites e amigos para amar. 

A vida em comunidade nos faz crescer a cada dia. Por isso repito uma frase que tenho dito e na qual realmente acredito: Somos como um braseiro, precisamos ficar juntos, senão assim como a brasa se apaga quando está sozinha, corremos o risco de ver nossa vida espiritual se apagar.
 
P: As demais perguntas serão respondidas pela Roseli em nossa próxima reunião, dia 01.04, às 14:30h .  Até lá..

Atualizado em ( 23-Oct-2008 )